Diagnóstico e tratamento da Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Diagnóstico e tratamento da Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

Diagnóstico e tratamento da Leucemia Mieloide Aguda (LMA)

 

A leucemia mielóide aguda (LMA) é uma doença que acomete as células-tronco da medula óssea, que é um tecido localizado no interior dos ossos e conhecido como a nossa “fábrica de sangue”. Quando essas células apresentam uma alteração genética, com o aparecimento de mutações nos genes reguladores da divisão e da multiplicação celular, elas acabam crescendo descontroladamente, dando início ao câncer.

 

Quando há suspeita de que há algo errado, o diagnóstico da LMA pode ser feito por meio de um exame de sangue chamado hemograma para avaliar um tipo específico de células, os blastos circulantes. Mas o diagnóstico definitivo é dado pelo exame de mielograma, que avaliará se existe mais de 20% de blastos no número total de células, o que demonstra uma alteração. Além do mielograma, outro exame fundamental para a caracterização do subtipo de LMA é a imunofenotipagem, que é um exame capaz de contar as células presentes na medula óssea e, ao mesmo tempo, identificar as proteínas de membrana que classificam o subtipo de LMA. O cariótipo e a análise de mutações moleculares também são exames fundamentais para complementar o diagnóstico, pois mostrarão quais alterações cromossômicas o paciente apresenta.

 

O conjunto dessas alterações moleculares e cromossômicas confere o risco e o prognóstico da LMA. Os riscos são divididos em três categorias: baixo, cujo tratamento é baseado em ciclos de quimioterapia; intermediário e alto, casos em que o paciente é tratado em um primeiro momento com quimioterapia, seguido de uma fase de consolidação, normalmente baseado no transplante alogênico de medula óssea (TMO).

 

O quadro clínico costuma ser muito heterogêneo, sendo que a maioria dos pacientes apresenta cansaço e fadiga devido ao quadro de anemia e sangramentos que podem variar de simples hematomas a sangramentos gengivais e infecções recorrentes. Algumas vezes chega-se diagnóstico por meio de um exame de rotina. O tratamento dependerá de vários fatores, mas o mais importante é o performance status do paciente, medida que mostrará as condições físicas que ele tem para receber um tratamento mais intenso. O subtipo de LMA baseado nas características genéticas e moleculares também é muito importante, pois definirá a obrigatoriedade ou não do paciente receber um transplante de medula óssea.

 

As principais complicações da LMA estão relacionadas aos riscos de sangramentos, devido à baixa de plaquetas, e as infecções, principalmente as bacterianas e fúngicas, que aparecem devido à baixa imunidade por mais de 30 dias. O tratamento inicial emprega a quimioterapia em altas doses, com a intensão de eliminar todas as células da medula óssea, levando à retomada da produção normal de células. Para o procedimento, o paciente permanece internado por cerca de 30 dias, período em que é submetido a transfusões de sangue e de plaquetas e tratado com antibióticos e antifúngicos para evitar infecções. Passado esse tempo, ele é reavaliado por meio de um novo exame de mielograma. Os pacientes que estiverem em remissão da LMA são submetidos a ciclos subsequentes de quimioterapia para manter a remissão. Já aqueles que apresentam risco intermediário e alto devem ser submetidos ao transplante de medula óssea.

 

O transplante é realizado em ambiente hospitalar, onde o paciente é submetido a um esquema de quimioterapia de altas doses e, em seguida, à “transfusão” de células tronco da medula óssea de um doador - que pode ser um irmão, que será 100% compatível, ou um não aparentado compatível do banco de medula óssea. Existe também a possibilidade de realizar o transplante com doadores parentes (pai, mãe, irmãos) parcialmente compatíveis, chamados de doadores haploidênticos, cuja compatibilidade é de 50%.

 

Com as novas opções de realização de transplante de medula óssea com doadores haploidênticos e doadores de bancos de medula óssea, praticamente todos os pacientes que necessitam desse procedimento conseguem encontrar um doador. Depois de mais de 20 anos sem novas opções terapêuticas além da quimioterapia convencional, novas classes de drogas surgiram nos últimos anos para o tratamento de LMA recém-diagnosticada e da LMA recidivada. São medicações denominadas agentes hipometilantes, que agem para reparar molécula de DNA alterada e inibem as mutações presentes em certos tipos de LMA que possuem um mal prognóstico - como os inibidores da FLT3 e, mais recentemente, os inibidores da proteína BLC-2, presentes nos blasto de LMA -, fazendo com que essas células percam a capacidade de “morrer”.

 

Novas drogas e novas modalidades de transplante, além da melhora no suporte aos pacientes como novos antibióticos e antifúngicos, melhoraram bastante o prognóstico dos pacientes com LMA, que conseguem ter uma sobrevida melhor, além de termos grande número de casos de pacientes que conseguem a cura.

 

*Ricardo Helmann é hematologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo e do Hospital Israelita Albert Einstein

 

 

Dr. Ricardo Helman

Dr. Ricardo Helman

Ricardo Helman é hematologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo e do Hospital Israelita Albert Einstein

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!