Tomar ou não tomar sol, eis a questão!

Tomar ou não tomar sol, eis a questão!

“(...) Mil cairão ao teu lado e, dez mil cairão à tua direita. Mas tu, não serás atingido.” (Salmos 91:7)

Fim de semana quente, aquele seria um prelúdio do verão que teríamos. Acostumada a me esconder à sombra, naquele dia seria diferente.

 

Sol é vida. Não existe energia mais viva e intensa que a proveniente do Sol...contudo não existe também maior dano que àquele provocado pelo seu excesso e descuido (não era o meu caso)!

 

As ações benéficas do sol são inúmeras, dentre elas: síntese de vitamina D com incontáveis benefícios, efeito bactericida (interessante para acne), proteção contra doenças do coração, ação sobre o humor e estado emocional e equilíbrio energético estão relacionados à esta energia maior, sem falar é claro, do maravilhoso efeito do bronzeado.

 

Mesmo assim, o que acima de tudo me preocupava eram os efeitos nocivos, do envelhecimento celular (estresse oxidativo), geração de radicais livres e danos mais sérios como fotodermatoses e o câncer.

 

Já eram quase 10h da manhã, horário mais que limite para um sol razoavelmente saudável. Como suporte psicológico pensei no Salmo 91:7 (rsrsrsrs)... então, me muni de coragem, me besuntei de um poderoso protetor solar, chapéu e óculos escuros a postos... fui. Para cozinha!

 

Estava sozinha, em adiantada leitura de um bom livro... resolvi continuá-la à beira da piscina onde a vida se passava, naquele dia. Mas não sem antes garantir meu devido aporte de proteção oral e hidratação.

 

De shake (rico de protetores antioxidantes e antiinflamatórios) em punho...em um privilegiado lugarzinho onde pude esticar meus pés à água para refrescar e abrir meu gigantesco ombrellone, me deitei confortavelmente. Estava retomando minha leitura quando ouço passos de alguém se aproximando.

 

Era uma vizinha, me conhecia pouco, mas sabia que era nutricionista. Profissão linda, mas que demanda 24h de orientação (rsrsrsrs). Ela não queria conversar, se sentou ao meu lado rispidamente e começou a me questionar, o que eu, profissional de saúde, estaria fazendo ali embaixo no sol, se pregamos tanto que o sol faz mal?

 

Fui tomada por uma brusca surpresa, sem saber se aproveitava a oportunidade ou a ignorava, resolvi desfilar meu rosário.

 

Passei por um breve e intenso relato da radiação Solar...

O espectro solar é composto por uma série de radiações e quando excedemos a quantidade de energia absorvida, os riscos são inevitáveis. Já é claramente estabelecido que os comprimentos de onda da radiação UV são carcinogênicos, como resultado do dano direto no DNA celular, todavia ainda existem inúmeras razões para praticarmos a exposição solar COM PROTEÇÃO.

 

A radiação ultravioleta do tipo UVA possui intensidade praticamente constante ao longo do dia, gera pouco eritema e provoca menos queimadura imediata, é muito eficiente em induzir bronzeamento, no entanto também o é, na indução do câncer.  Os raios UVB que predominam entre 10 e 14h (me lembrei que estava no início do pior horário, então me apressei) são absorvidos pela epiderme e, como resposta aguda à estes raios surgem o eritema, edema e pigmentação, seguida de espessamento da epiderme, derme e por fim, o bronzeamento. Já os raios UVC são absorvidos pelas camadas mais altas da atmosfera e estratosfera e, raramente, atingem a superfície terrestre (por enquanto!). Todavia,  qualquer que seja a radiação, em uma exposição crônica, podem levar ao fotoenvelhecimento, imunossupressão e fotocarcinogênese.

 

Bastante decidida a me fazer entender, a olhei fixamente e continuei. Existe ainda a radiação Infravermelha (IV), que é responsável pela sensação de calor e desidratação da pele durante a exposição ao sol e, pode agir sinergicamente à radiação UV na desnaturação do DNA, podendo contribuir e aumentar o fotoenvelhecimento e carcinogênese.

 

Percebi que a minha volta já tinham mais duas mães ouvindo atentamente. Então, abri a roda e disse: entendam o que é o bronzeado tão almejado no verão por sua beleza (que de fato o é).

Possuímos um pigmento, a melanina, que serve como mecanismo de proteção da pele. Quando nos expomos ao sol, a tendência da pele é fabricar mais melanina para proteger as células...este é o mecanismo fundamental do bronzeado, que nada mais é que a defesa natural da pele ao sol.

 

A pigmentação (cor adquirida após exposição solar) é consequência da foto-oxidação do pigmento melanina na pele, assim o bronzeado duradouro somente aparecerá após 72 horas da exposição que, acontece também devido ao aumento da atividade enzimática (tirosinase) que favorece a formação de nova melanina.

 

Mas...concomitantemente à pigmentação (bronzeamento), a maioria das mudanças relacionadas ao envelhecimento da pele, como as rugas, manchas e sardas, devem-se ao fotoenvelhecimento e são reflexo da exposição solar cumulativa, enquanto falava involuntariamente passava as mãos no rosto.

 

É verdade sim que o corpo possui mecanismos especializados de defesa, que destroem as células que podem ser alteradas pela exposição aos raios UV, respondendo à uma das perguntas, mas sabe-se que a exposição solar, mesmo que moderada, pode danificar o DNA celular e atingir um gene protetor (p53) responsável por bloquear este mecanismo natural de destruição das células danificadas e, fatalmente sem a proteção genética, aliada ao excesso de exposição solar (além de outros fatores ambientais), as células podem continuar a crescer e, eventualmente, tornar – se malignas (cancerígenas).

 

Embora interessadas e já soubessem alguma coisa do “lado obscuro” do sol, estavam apavoradas, então para não acabar com o dia de ninguém e para responder aquela primeira pergunta, resolvi resumir e abordar o Verão por outro ângulo.

 

OK…A mesma radiação que pode vir a se tornar um dano celular também é responsável pela indução de produção de vitamina D no corpo. Esta vitamina é essencial à proteção de diversos mecanismos celulares, dentre eles a proteção nuclear do DNA e contra o câncer. Além disso, os raios solares induzem a produção de outro composto, o óxido nítrico, que atuam nos vasos diminuindo a pressão sanguínea e, portanto, importante para saúde cardíaca. Efeitos sobre a beleza, humor e equilíbrio energético também são positivos quando nos expomos ao sol, assim para garantir esta fonte de vitalidade, só precisamos fazer de maneira correta.

 

A fotoproteção química e física é crucial… olhei para uma delas apontando o ombrellone, chapéu e óculos que vestia. Meu protetor solar, tinha efeito duplo de barreiras química e física, por isso um super protetor! Mas nada disso surtiria total efeito se minha exposição fosse demasiadamente longa e sem o aporte interno de protetores celulares.

 

E, é aí que a nutrição entra, como uma arma fundamental na prevenção dos danos solares. Os nutrientes antioxidantes, são reparadores celulares e as moléculas com atividade antiinflamatória atuam de forma a reduzir o dano UV induzido.

 

Dentre os agentes antioxidantes mais potentes encontramos as vitaminas E (tocoferol), presente no óleo de oliva e abacate, a vitamina C conhecida de muitas frutas (acerola, goiaba, manga, caju, laranja…), e os carotenoides (betacaroteno, astaxantina, luteína e zeaxantina) encontrados na cenoura, manga, mamão, milho e outros alimentos. No grupo dos polifenóis, flavonóides como catequina e quercetina presentes no chá verde e maçã, por exemplo, também são bastante estudados com o mesmo efeito protetor em decorrência dos danos solares. Também ganham destaque fitoquímico, alimentos que possuem ação antiinflamatória, na prevenção do dano oxidativo induzido pelos raios UV, como o açafrão e os  óleos poliinsaturados encontrados nas castanhas, abacate e ômega-3.

 

Enquanto falava olhei para o lado e vi meu delicioso copo rosa alaranjado cheio destes nutrientes protetores que preparei antes de descer.

 

Já para suportar o aumento da temperatura provocado pelo calor daquele verão e possível desidratação, indiquei para meus pés na piscina e para a garrafinha de água (já pela metade) que poderia ser pura ou água de coco, que estava ao lado daquela revista que pretendia ler.

 

Foi quando me lembrei de mais um item fundamental que precisava ser dito, o sistema imunológico. A pele possui sistemas de defesa contra as agressões solares através do sistema imunológico presente na epiderme. Contudo, o excesso de radiação solar leva ao desgaste desta proteção e desencadeia alterações na pele favorecendo o fotoenvelhecimento e aumento no risco do famigerado câncer de pele.

 

O consumo de probióticos, portanto, é importante para fortalecer a resposta imune do organismo. Um microrganismo (Lactobacillus johnsonii) em especial, é uma bactéria probiótica importantíssima no combate ao dano solar, sendo o primeiro microrganismo (estudado) da flora intestinal com ação protetora na epiderme, melhorando o sistema imune da pele e com eficácia clinicamente demonstrada.

 

Já tinham passado 4 mulheres, 2 crianças e 40 minutos desde que me sentei à beira da piscina para curtir o dia, mas como minha proposta de exposição solar é sempre a moderação, já estava dando horário da minha saída … triunfalmente “bronzeada” (rsrsrs).

 

Então para finalizar, expliquei àquela que havia me questionado à princípio: posso estar aqui hoje, porque o faço devidamente protegida e assim posso usufruir dos benefícios que o Sol propõe. A alimentação e suplementação nutricional  me conferem um estado de equilíbrio, promovendo a diminuição importante da sensibilidade da pele ao sol além de proteção e resposta rápida contra os agressores.

 

Mas lembrando, ela deve ser feita rotineiramente e de maneira paralela, complementar ao uso dos protetores solares tópico e físicos. Abastecer o organismo de fitoquímicos com uma alimentação saudável é ajudar o corpo no trabalho de prevenção e defesa e nos propiciar o prazer de curtir momentos de alegria ao sol.

 

Apostar em alimentos coloridos do amarelo ao vermelho/roxo, acrescentando os mais cítricos, o chá verde e muita água, garantirá proteção suficiente para “não ser atingida” como, infelizmente, os “mil” que cairão ao meu lado e integram as temidas estatísticas do câncer e, de quebra, sair bem humorada com um bronzeado duradouro.

 

Evitar a exposição prolongada ao sol, evitar os horários perigosos, usar o filtro solar, roupas e acessórios e ainda garantir uma alimentação adequada com uso de suplementos orais é a escolha mais sábia para a saúde e beleza da pele para aproveitar o Verão.

 

Bom Sol!

Andrea Alterio

Andrea Alterio

Andrea Alterio é Nutricionista formada na Universidade São Camilo (SP) com especialidade em Oncologia Multiprofissional pelo Hospital Israelita Albert Einstein. Mestre em Nutrigenética e possui outras 4 especializações em Nutrição Clínica, com ênfase em Metabologia e Bioquímica Médica, Nutrição Funcional, Obesidade e Esportes além de um Master em Nutrição Humana comportamental (coaching nutricional) em Roma, Itália.  Atualmente trabalha em consultório clínico, em São Paulo e Interior.

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!