Câncer de Bexiga

  • O que é?
  • Fatores de Risco
  • Sintomas
  • Diagnóstico
  • Tratamento
  • Estadiamento

O câncer de bexiga é o nono tipo de câncer mais frequente no mundo.

Como todo tipo de tumor, ele tem início com a mutação genética de
células. Inicialmente o câncer começa de maneira superficial na
membrana mais interna da bexiga, membrana mucosa. Conforme essa
célula sofre a mutação, ela começa a crescer desenfreadamente.


O crescimento acelerado geralmente forma um pólipo – como se fosse
uma verruga. Com o avanço do câncer, esse pólipo pode avançar para
camada muscular e estruturas internas. Em casos mais avançados, o
tumor pode invadir os tecidos ao redor da bexiga, gânglios linfáticos e
outros órgãos, ocasionando as metástases.

 

Tipos:
Carcinoma de células de transição: representa a maioria dos casos, (cerca
de 90%) e começa nas células do tecido mais interno da bexiga.
 
Carcinoma de células escamosas: afeta as células delgadas e planas que
podem surgir na bexiga depois de infecção ou irritação prolongadas.
 
Adenocarcinoma: menos frequente. Inicia-se nas células glandulares (de
secreção) que podem se formar na bexiga depois de um longo tempo de
irritação ou inflamação.

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Cigarro: O principal fator de risco do câncer de bexiga é a exposição ao
cigarro. Pessoas que fumam têm de 2 a 6 vezes mais chances de
desenvolver câncer de bexiga em comparação aàs que nunca fumaram.
Estima-se que o cigarro é responsável por cerca de 50-70% dos casos de
câncer de bexiga. E quem não fuma e convive com quem fuma também
têm as chances aumentadas. Os ex-fumantes também tem risco aumentados, visto que os efeitos do cigarro podem
persistir por vários anos.


Exposição a Produtos Químicos: Pessoas que trabalham na área industrial
ou com mineração, principalmente sem equipamento de proteção
adequado, têm mais chances de câncer de bexiga. Isso é consequência da
inalação e exposição a produtos químicos cancerígenos.


Inflamações Crônicas: Infecções urinárias frequentes na bexiga, ou uma
radioterapia na região de bexiga que causam cistite crônica podem causar
câncer. As chances são pequenas, mas existem.

 

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Sangramento urinário: é o sintoma mais comumente observado. Pode
ser de leve intensidade, imperceptível a olho nu ou um sangramento
com presença de coágulo. O sangramento normalmente é indolor. Mas no
caso do coágulo, pode haver dor e dificuldade para urina sair.
É importante ressaltar que nem sempre o sangue na urina é sinônimo de
câncer. Existem várias outras causas de sangramento, incluindo pedras
nos rins e bexiga, e também infecções na bexiga ou nos rins. Entretanto,
qualquer sangramento da urina merece ser investigado com exames de
imagem para se determinar a causa do sangramento.

Irritação vesical: muitas vezes confundida com infecção urinária, é
sensação de querer ir ao banheiro várias vezes seguidas e eliminar sempre
pouca quantidade de urina e geralmente acompanhada de sensação de
ardência ou dor para urinar;


Dor na região da pelve;
Dor lombar;
Dor abdominal;

Em casos mais avançados os sintomas são:

Fadiga;
Indisposição;
Redução do apetite;
Perda de peso;

Exame de urina: para verificar se há presença de sangue;


Citologia urinária: exame com microscópio para avaliar se existe célula
sugestiva de tumor na urina;

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Exames de imagem: (ex. Ultrassom, tomografia ou
ressonância): avaliar todo trato urinário; bexiga e rins. O exame avalia se
existe lesão suspeita ou espessamento na região da bexiga que indique
tumor.

Cistoscopia: avalia a bexiga por dentro. Analisa toda mucosa – membrana
que reveste a bexiga por dentro – avalia se há lesão que indique câncer.
Este é um exame geralmente realizado por um urologista e sob anestesia.

Biópsia: retirada de pequeno pedaço do tumor para análise em
laboratório. Este é um exame que feito durante o procedimento de
cistoscopia caso esta verifique a presença de alguma área suspeita
durante o exame.

 

 

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

O tratamento varia de acordo com o estadiamento da doença. Isso que
dizer que o câncer de bexiga em fase inicial tem tratamento diferente do
tumor em estágio avançado.


Cirurgia: Pode ser dois tipos;
Ressecção Transuretral: quando o médico remove o tumor via uretra;
Cistotectomia radical: retirada completa da bexiga, com a posterior
construção de um novo órgão para armazenar urina.

 

Radioterapia: pode ser adotada quando há tumores mais agressivos como
forma de tentar preservar a bexiga.


BCG intravesical: aplicada diretamente na bexiga por meio de um tubo
introduzido na uretra (ex. sonda vesica). É utilizada naqueles pacientes
com câncer de bexiga que ainda não invadiu a camada muscular, e tem o
objetivo de diminuir a chance de o câncer retornar na bexiga.


Quimioterapia venosa: normalmente administrada pela veia naqueles
casos com tumores mais avançados (ex. invasão de camada muscular)
antes ou depois da realização da cistectomia radical e tem o objetivo de
diminuir o risco de recidiva e aumentar as chances de cura. Nos casos em
que ocorrem metástases em outros órgãos, a quimioterapia venosa também pode

ser administrada com o obejtivo de controlar a evolução do
câncer de bexiga.


Imunoterapia venosa: recentemente a imunoterapia tem ganho bastante
espaço no tratamento do câncer de bexiga, e novas estratégias vem sendo
constantemente atualizadas. Normalmente administrada pela veia
naqueles casos com tumores mais avançados com metástases. Ela tem o
objetivo de ativar o sistema imunológico do próprio paciente para lutar
contra as células do câncer de bexiga.

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

Prevenção:

Infelizmente não existe uma forma eficaz de prevenir o câncer de bexiga.
Visto que a principal causa da doença é o tabagismo a maneira
mais importante para evitar o câncer de bexiga é não fumar.
Em caso de pessoas que estão em contato com produtos químicos ou em
áreas de mineração, a melhor forma de prevenção é evitar contato direto
com os produtos e não inalar gases tóxicos.
Muito importante também investigar casos de sangramento na urina com
exames de imagem com o objetivo eventual de se detectar casos de
câncer de bexiga mais precoce, e desta maneira com maiores chances de
cura e prevenindo assim as metástases.

 

 

 

 

 

Fonte: Dr. Fabio Schutz, Oncologista Clínico da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo

  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!