Câncer de Tireoide

  • O que é?
  • Fatores de Risco
  • Sintomas
  • Diagnóstico
  • Tratamento
  • Estadiamento

Com formato muito parecido com a de uma borboleta, a glândula tireoide é localizada na parte anterior do pescoço, logo abaixo do Pomo de Adão  e é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina) que são  essenciais porque interferem em vários controles do organismo, como os batimentos cardíacos, a temperatura, o metabolismo (conjunto de mecanismos químicos necessários ao organismo) que pode ficar mais rápido ou lento, e os movimentos intestinais. 

Quais são os tipos de câncer de tireoide? 

 Carcinoma papilifero - é o mais comum. Pode aparecer em pacientes de qualquer idade, mas é mais freqüente entre 30 e 50 anos. Estima-se que uma a cada mil pessoas tem ou já teve este tipo de câncer. A taxa de cura é alta, chegando a quase 100%.

- Carcinoma folicular - Costuma ocorrer em indivíduos com mais de 40 anos. É mais agressivo do que o papilífero. Em dois terços dos casos, não têm tendência à disseminação. Um tipo de carcinoma folicular mais agressivo é o hurthle, que atinge pessoas com mais de 60 anos.

- Carcinoma medular - Afeta as células parafoliculares, responsáveis pela produção da calcitonia, hormônio que contribui na regulação do nível sanguíneo de cálcio. É de difícil tratamento e, usualmente, se apresenta de moderado a muito agressivo.

- Carcinoma anaplásico ou inmedular - Extremamente raro. Contudo, é do tipo mais agressivo e tem o tratamento mais difícil. É responsável por dois terços dos óbitos de câncer da tireóide.

O que causa o câncer de tireoide e quem está em risco?

A causa exata do câncer de tireoide não é conhecida, mas as pessoas com certos fatores de risco são mais vulneráveis que outras à doença.

Esses fatores de risco incluem:

  • tratamentos com radiação para a cabeça, pescoço ou tórax, especialmente na infância ou adolescência
  • história familiar de câncer de tireoide
  • um grande nódulo ou em rápido crescimento
  • idade superior a 40 anos

Ter um fator de risco não significa que você terá câncer de tireoide e algumas pessoas desenvolvem a doença não tem nenhum fator de risco. Ainda assim, ter um nódulo de tireoide com qualquer um desses fatores de risco requer avaliação.

 

Fonte: ACS

O principal sinal é a aparição de um nódulo indolor na tireoide.

 

Fonte: ACS

O diagnóstico de câncer na tireoide considera os achados no exame clínico de palpação da glândula e a presença de gânglios linfáticos aumentados. Entretanto, como apenas pequeno número de nódulos é palpável, exames de imagem como a ultrassonografia, a cintilografia e a ressonância magnética são recursos úteis para o diagnóstico.  O mais importante, porém, é a biopsia de aspiração com agulha fina para identificar a presença ou não de células tumorais malignas.

 

Fonte: ACS

Em geral, o tratamento do câncer de tireoide é cirúrgico (tireoidectomia total ou parcial) e leva em conta o tipo e a gravidade da doença. Caso as células malignas tenham comprometido os gânglios cervicais, é necessário retirá-los.

Rouquidão e queda de cálcio são complicações da tireoidectomia associadas a lesões de estruturas como os nervos laríngeos e as glândulas paratireoides respectivamente durante a cirurgia.

Depois de quatro a seis semanas da intervenção, o paciente recebe doses terapêuticas de iodo radioativo em ambiente hospitalar para extinguir qualquer tecido remanescente de células tumorais no corpo e evitar metástases. Quando os carcinomas papilíferos e foliculares não respondem a esse tratamento, é possível recorrer à terapêutica antiangiogênica que consiste em bloquear a formação de novos vasos sanguíneos para impedir que as células tumorais recebam nutrientes e oxigênio através da circulação. O passo seguinte é indicar a reposição hormonal com levotiroxina por via oral para substituir os hormônios que deixaram de ser produzidos pela tireoide. Radioterapia, associada ou não à quimioterapia, é recomendada na ocorrência de tumores mais agressivos, como o carcinoma medular e o carcinoma anaplásico.

Fonte: ACS

É preciso que o médico e o paciente estejam sempre atentos ao  estadiamento da doença! Mas, o que é estadiamento? São os estágios que o câncer está no momento, ou seja, o tamanho, a localização e se espalhou para outros órgãos. O estádio de um tumor reflete não apenas a taxa de crescimento e a extensão da doença, mas também o tipo de tumor e sua relação com o hospedeiro. O sistema de estadiamento mais utilizado é o TNM da American Joint Committee on Cancer.

 

O que é TNM?

É a abreviatura de tumor, linfonodo e metástase. Este sistema utiliza três critérios para avaliar o estágio do câncer:

  • O próprio tumor ( T + um número de 0 a 4 usa-se para descrever o tumor primário);

  • Os linfonodos regionais ao redor do tumor ( N + 0 a 3 usa-se para descrever se a doença disseminou para os gânglios linfáticos)

  • E se o tumor se espalhou para outras partes do corpo (M usa-se para descrever que a doença se espalhou para outros órgãos)  

 

O estadiamento pode ser clínico e patológico. O estadiamento clínico é estabelecido a partir dos dados do exame físico e dos exames complementares. O estadiamento patológico baseia-se nos achados cirúrgicos e no exame anátomopatológico - é estabelecido após tratamento cirúrgico e determina a extensão da doença com maior precisão. Lembrando que o estadiamento patológico pode ou não coincidir com o estadiamento clínico e não é aplicável a todos os tumores.



E o estadiamento do câncer da TIREOIDE, como funciona?

Categorias T para o câncer de tiróide (exceto o câncer anaplásico de tireoide)

TX: O tumor primário não pode ser avaliado.

T0: Nenhuma evidência de tumor primário.

T1: O tumor é de 2 cm (um pouco menos de uma polegada) em toda ou menor e não cresceu fora da tireoide.

  • T1a: O tumor tem 1 cm de diâmetro ou menos e não cresceu fora da tireoide.

  • T1b: O tumor é maior do que 1 cm mas não maior do que 2 cm de diâmetro e não cresceu fora da tireoide.

T2: O tumor tem mais de 2 cm de diâmetro, mas não mais de 4 cm e não cresceu fora da tireoide.

T3: O tumor é maior que 4 cm de diâmetro, ou apenas começou a crescer em tecidos próximos fora da tireoide.

T4a: O tumor é de qualquer tamanho e cresceu extensivamente além da glândula tireoide em tecidos próximos do pescoço, como a laringe, traquéia, esôfago, ou o nervo para a laringe. Isso também é chamado de doença moderadamente avançada .

T4b: O tumor é de qualquer tamanho e cresceu de volta para a espinha ou em grandes vasos sanguíneos próximos. Isso também é chamado de doença muito avançada .

Categorias T para câncer de tireoide anaplásico

Todos os cânceres anaplásicos da tireoide são considerados tumores T4 no momento do diagnóstico.

T4a: O tumor ainda está dentro da tireoide.

T4b: O tumor cresceu fora da tireoide.

Categorias N para o câncer de tireoide

NX: Os gânglios linfáticos regionais (próximos) não podem ser avaliados.

N0: O câncer não se espalhou para os gânglios linfáticos próximos.

N1: O câncer se espalhou para os gânglios linfáticos próximos.

  • N1a: O câncer se espalhou para os gânglios linfáticos ao redor da tireoide no pescoço (chamados pré-traqueal , paratraqueal e gânglios linfáticos pré-laríngeos ).

  • N1b: O câncer se espalhou para outros gânglios linfáticos no pescoço (chamado cervical ) ou para os gânglios linfáticos atrás da garganta ( retrofaríngea ) ou no tórax superior ( mediastino superior ).

Categorias M para o câncer de tireoide

MX : A metástase distante não pode ser avaliada.

M0: Não há metástase distante.

M1: O câncer se espalhou para outras partes do corpo, como linfonodos distantes, órgãos internos, ossos, etc.

Agrupamento de estágios

Uma vez que os valores de T, N e M são determinados, eles são combinados em estágios, expressos como um número romano de I a IV. Às vezes as letras são usadas para dividir ainda mais uma fase. Ao contrário da maioria dos outros tipos, os cânceres de tireoide são agrupados em estádios de uma forma que também considera o subtipo de câncer e a idade do paciente.

Câncer de tireoide papilar ou folicular (diferenciado) em pacientes com idade inferior a 45 anos

As pessoas mais jovens têm uma baixa probabilidade de morrer de câncer de tireoide diferenciado (papilar ou folicular). Os agrupamentos de estádio TNM para estes cânceres têm em conta este fato. Assim, todas as pessoas com menos de 45 anos com esses cânceres são estágio I, se eles não têm propagação distante, e estágio II, se eles têm propagação distante.

Estágio I (Qualquer T, Qualquer N, M0): O tumor pode ser de qualquer tamanho (qualquer T) e pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Não se espalhou para locais distantes (M0).

Estágio II (Qualquer T, Qualquer N, M1): O tumor pode ser de qualquer tamanho (qualquer T) e pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Ele se espalhou para locais distantes (M1).

Câncer de tireoide papilar ou folicular (diferenciado) em pacientes com 45 anos ou mais

Estágio I (T1, N0, M0): O tumor tem 2 cm ou menos e não cresceu fora da tireoide (T1). Não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

Estágio II (T2, N0, M0): O tumor tem mais de 2 cm de diâmetro, mas não tem mais de 4 cm de diâmetro e não cresceu fora da tireoide (T2). Não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

Estágio III: Um dos seguintes se aplica:

T3, N0, M0: O tumor tem mais de 4 cm de diâmetro ou cresceu ligeiramente para fora da tireoide (T3), mas não se espalhou para nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

T1 a T3, N1a, M0: O tumor é de qualquer tamanho e pode ter crescido ligeiramente fora da tireoide (T1 a T3). Ele se espalhou para os gânglios linfáticos ao redor da tireoide no pescoço (N1a), mas não para outros linfonodos ou para locais distantes (M0).

Estágio IVA: Uma das seguintes opções aplica-se:

T4a, qualquer N, M0: O tumor é de qualquer tamanho e cresceu para além da glândula tireoide e nos tecidos próximos do pescoço (T4a). Pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Não se espalhou para locais distantes (M0).

T1 a T3, N1b, M0: O tumor é de qualquer tamanho e pode ter crescido ligeiramente fora da glândula tireoide (T1 a T3). Ele se espalhou para certos gânglios linfáticos no pescoço (nódulos cervicais) ou para os gânglios linfáticos no tórax superior (nódulos mediastinais superiores) ou atrás da garganta (nódulos retrofaríngeos) (N1b), mas não se espalhou para locais distantes (M0) .

Estágio IVB (T4b, Qualquer N, M0): O tumor tem qualquer tamanho e cresceu de volta para a espinha ou para grandes vasos sanguíneos próximos (T4b). Pode ou não ter se espalhado para os nódulos linfáticos próximos (qualquer N), mas não se espalhou para locais distantes (M0).

Estágio IVC (Qualquer T, Qualquer N, M1): O tumor é de qualquer tamanho e pode ou não ter crescido fora da tireoide (qualquer T). Pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Ele se espalhou para locais distantes (M1).

Câncer de tireoide medular

A idade não é um fator no estágio do câncer medular da tireoide.

Estágio I (T1, N0, M0): O tumor tem 2 cm ou menos e não cresceu fora da tireoide (T1). Não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

Estágio II: Uma das seguintes situações aplica-se:

T2, N0, M0: O tumor tem mais de 2 cm mas não tem mais de 4 cm de diâmetro e não cresceu fora da tireoide (T2). Não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

T3, N0, M0: O tumor é maior que 4 cm ou cresceu ligeiramente fora da tireoide (T3), mas não se espalhou para os nódulos linfáticos próximos (N0) ou locais distantes (M0).

Estágio III (T1 a T3, N1a, M0): O tumor é de qualquer tamanho e pode ter crescido ligeiramente fora da tireoide (T1 para T3). Ele se espalhou para os gânglios linfáticos ao redor da tireoide no pescoço (N1a), mas não para outros linfonodos ou para locais distantes (M0).

Estágio IVA: Uma das seguintes opções aplica-se:

T4a, qualquer N, M0: O tumor é de qualquer tamanho e cresceu para além da glândula da tireoide e nos tecidos próximos do pescoço (T4a). Pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Não se espalhou para locais distantes (M0).

T1 a T3, N1b, M0: O tumor é de qualquer tamanho e pode ter crescido ligeiramente fora da glândula tireoide (T1 a T3). Ele se espalhou para certos gânglios linfáticos no pescoço (nódulos cervicais) ou para os gânglios linfáticos no tórax superior (nódulos mediastinais superiores) ou atrás da garganta (nódulos retrofaríngeos) (N1b), mas não se espalhou para locais distantes (M0) .

Estágio IVB (T4b, Qualquer N, M0): O tumor tem qualquer tamanho e cresceu de volta para a espinha ou para grandes vasos sanguíneos próximos (T4b). Pode ou não ter se espalhado para os nódulos linfáticos próximos (qualquer N), mas não se espalhou para locais distantes (M0).

Estágio IVC (Qualquer T, Qualquer N, M1): O tumor é de qualquer tamanho e pode ou não ter crescido fora da tireoide (qualquer T). Pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Ele se espalhou para locais distantes (M1).

Câncer de tireoide anaplásico (indiferenciado)

Todos os cânceres de tireoide anaplásico são considerados estágio IV, refletindo o mau prognóstico deste tipo de câncer.

Estágio IVA (T4a, Qualquer N, M0): O tumor ainda está dentro da tireoide (T4a). Pode ou não ter se espalhado para os nódulos linfáticos próximos (qualquer N), mas não se espalhou para locais distantes (M0).

Estágio IVB (T4b, Qualquer N, M0): O tumor cresceu fora da tiróide (T4b). Pode ou não ter se espalhado para os nódulos linfáticos próximos (qualquer N), mas não se espalhou para locais distantes (M0).

Estágio IVC (Qualquer T, Qualquer N, M1): O tumor pode ou não ter crescido fora da tireoide (qualquer T). Pode ou não ter se espalhado para os gânglios linfáticos próximos (qualquer N). Ele se espalhou para locais distantes (M1).

Recorrente do câncer de tireoide

Esta não é uma etapa real no sistema TNM. O câncer que retorna após o tratamento é chamado de recorrente (ou recaída ). Se o câncer de tireoide retorna, geralmente está no pescoço, mas pode voltar para outra parte do corpo (por exemplo, linfonodos, pulmões ou ossos). Os médicos podem atribuir uma nova fase com base em quão longe o câncer se espalhou, mas isso não é geralmente um processo tão formal como o estadiamento original. A presença de doença recorrente não altera o estadiamento formal original.

Se você tiver alguma dúvida sobre o estágio de seu câncer ou como ele afeta suas opções de tratamento, não se esqueça de perguntar ao seu médico.

 

Fonte: American Cancer Society

Páginas da vida Páginas da vida

ESTOU,COM CANCER NO COLO DO ULTERO, MAS ESTOU FAZENDO TRATAMENTO,TENHO CINCO FILHOS A MINHA FORÇA VEM DOS MEUS FILHOS!!!E EU SEI QUE VOU FICAR CURADA...

carla CRISTINA DE OLIVEIRA

Olá minha intensão é que meu caso seja fonte de perseverança para algumas pessoas que estejam passando por esse caso.Começou assim dei uma relaxado nos exames preventivos por 3 anos e quando acordei de que estava em falta com minha saúde fui fazer a mamografia em maio de 2009 e…

Josiete maria dos Santos

Meu nome é Andréa Ferraz Mesquita, tenho 39 anos e sou sobrevivente do câncer de mama por duas vezes. A primeira vez que tive a doença foi em 2003 e ela voltou em abril de 2008, quando eu estava fazendo exames de rotina. Meu tratamento da primeira vez foi uma quadrantectomia, retirada parcial…

Andrea Mesquita
  • IKCC - International Kidney Cancer Coalition
  • World Ovarian Cancer Day
  • WAPO - World Alliance of Pituitary Organizations
  • The Carcinoid Cancer Foundation
  • Alianza GIST
  • The Life Raft Group

Faça parte Novidades

Temos muitas coisas para compartilhar com você.
Lembre-se: você não está sozinho!

Digite o email corretamente

Seu e-mail foi cadastrado com sucesso. Obrigado!

Indique este site

Indicação realizada com sucesso!

Seja parceiro

Mensagem enviada com sucesso!

Seja voluntário

Mensagem enviada com sucesso!

Envie seu depoimento

Depoimento enviado com sucesso!